DellaProd

FAZ DE CONTA

E ai pessoal, não sei se todos sabem mas dia 20 de junho (próximo domingo) nós da Aerocirco estamos lançando nosso novo CD – Invisivelmente. Este novo CD marca uma nova fase da banda, um novo rumo musical e que já antecipamentos com os dois singles Não Me Leve a Mal e Faz de Conta, que lançamos em 2009. Como o clima já é do CD novo vou falar de Faz de Conta.

Um dia fui ao banco em Coqueiros (bairro de Florianópolis) e como o banco era pequeno tinham poucas vagas pra carro, mas tinha uma vaga para deficientes/idosos e que estava livre, eu passei reto estacionei na rua, assim como “quase todos” fizeram. Para minha surpresa quando eu entrava no banco vi um homem, muito bem de saúde, colocando seu carro nesta vaga, então chamei atenção do figura e começamos a discutir. Este figura, além de ter agido com uma falta de educação peculiar aos “espertalhões”, é o retrato do hipócrita que critica os corruptos mas é tão corrupto quanto os outros que ele julga, com as coisas que estão ao seu alcance.

Tentei escrever algo que reproduzisse o sentimento oposto a essa postura hipócrita e pessimista de ver a realidade da nossa sociedade, passando a ver que as pequenas atitudes do nosso dia a dia mudam tudo que está ao nosso redor.

FAZ DE CONTA
Letra e Música: Fábio Della

Saiba que o mundo não quis fazer mal
Até um tropeço pode ser normal
Só faz do esquecido o principal
Faz de conta, é o bem e o mal

E a tristeza já nem dá sinal
O amor invade todo lado mal
Se toda ação já mergulhou no tal
Faz de conta, se tornou real

Faz de conta é permitido
Pra mudar a direção
Pra lembrar do esquecido
Com o coração

E tudo está em outra dimensão
O pouco já virou mais de um milhão
O ireal virou verdade e não
Faz de conta, já não volta não

Aquele o cego agora enxerga bem
O egoísta ajudou alguém
E o ladrão já não rouba mais quem
Faz de conta ser assim também

Faz de conta é permitido
Pra mudar a direção
Pra lembrar do esquecido
Com o coração

Faz de conta é permitido
Quando a voz da sua razão
Faz do seu silêncio um grito
Que não cala não