INVISIVELMENTE

Olá, hoje, 01/jul, o CD atingiu quase 2000 downloads, fazendo apenas 10 dias que liberamos no site, e o que mais empolga é ver que pessoas de todos os cantos do Brasil estão baixando, até mesmo do exterior, enfim, estamos muito empolgados mesmo! É nesse clima que resolvi escrever sobre mais uma música desse CD e dessa vez será sobre INVISIVELMENTE! Explicar algumas coisas fazem elas perderem o brilho, mas vale a pena eu começar e depois esperar, assim como foram os primeiros posts, o comentário de vocês.

Invisivelmente é a tentativa de traduzir um sentimento, se é que se pode dizer que é UM sentimento e não vários, que faz eu me mover, acordar, chorar, rir, esquecer, ou seja, querer viver! Eu nunca soube lidar direito com a expontaniedade da alegria estonteante de uma grande conquista ou de uma tristeza profunda de uma perda, tudo pra mim parecia ser forte porém passageiro, onde eu não me permitia curtir aquilo como algo eterno, mesmo sabendo que aquilo seria eternizado na minha memória e na minha mudança de rumo. De fato pra mim as conquistas ou perdas de algo sempre vieram acompanhadas de um segundo passo que eu tinha que dar e esse segundo passo tomava conta do meu sentimento novamente e assim é até hoje. Algumas vezes tentei entender se eu estava em depressão, se eu era um bi-polar, se eu era irresponsável pelas constantes mudanças de rumo na minha vida ou se tudo isso era a busca pela felicidade!

Esse sentimento que tento entender é SIM a busca pela felicidade, é como a ação hormonal que faz sentirmos muito prazer quando chegamos no que queremos, mas também nos deixa triste quando nos frustramos, porém o principal desse sentimento é que ele é um poço de forças que nos faz continuar sonhando e lutando sempre, eternamente, COMO SE EU FOSSE O ÚNICO, CORRENDO MAIS QUE O MAIS RÁPIDO, SENDO MAIOR QUE O MÁXIMO, INVISIVELMENTE!

INVISIVELMENTE
Letra e Música: Fábio Della Giustina

Todas as vezes parece não ser bem o meu lugar
Quis o calor, depois frio, quis o chão, depois quis o mar

Mudo, mudo, a voz, a cor, o lugar
Minha metade é vontade a outra é querer mudar

Como se eu fosse o único
Correndo mais que o mais rápido
Sendo maior que o máximo
Invisivelmente

Antes que tudo se acabe, um salto de quem não dá
Veio o que ao ver me prende e que me faz apaixonar

Mudo, mudo, tenho o que quero lembrar
Que toda minha vontade me trouxe onde eu quis chegar

Como se eu fosse o único
Correndo mais que o mais rápido
Sendo maior que o máximo
Invisivelmente

Antes que tudo se acabe, um salto de quem não dá
Veio o que ao ver me prende e que me faz apaixonar

Mudo, mudo, tenho o que quero lembrar
Que toda minha vontade me trouxe onde eu quis chegar

Como se eu fosse o único
Correndo mais que o mais rápido
Sendo maior que o máximo
Invisivelmente

Share : facebooktwittergoogle plus



Deixe um comentário


  • Cristiane Palma on

    “Tudo pra mim parecia ser forte porém passageiro, onde eu não me permitia curtir aquilo como algo eterno”. Li o que tu escreveu e pensei no seguinte que me acontece. Fatos ocorrem em minha vida e tenho a sensação de que ao mesmo tempo tenho que vivê-los, ser feliz com eles mas me preparar a todo tempo porque os rumos mudam, as coisas acabam. Parece que tem sempre alguém falando ao pé do ouvido: “Aproveita enquanto não acaba!”. Isso atormenta um pouco!


  • f.mungo on

    São sim sentimentos meio que pela metade, sentimentos inteiros parecem não existir na verdade, essa dúvida fica eterna quando nos sentimos sós, como se eu fosse o único…
    acabaria assim…
    invisivelmente..


  • Katiany Pinho on

    Me identifico muito!